[RESENHA] Black Hammer - Era da Destruição Parte II


Olá pessoal, estou de volta, trazendo finalmente a tão aguardada e surpreendente conclusão da saga de Black Hammer. Então, sem mais delongas, vamos ao que realmente interessa.

ATENÇÃO: SPOILERS DO VOLUME 3 A SEGUIR!!!

Como já tradicional em todos os volumes de Black Hammer, a história deste quarto volume já parte imediatamente após os acontecimentos que encerram o volume 3 da HQ. Naquela altura nossos heróis acabavam de descobrir o mistério por trás da fazenda em que eles se encontravam. Tudo não passava de uma forma de garantir o equilíbrio que foi quebrado com a destruição do Antideus. Os heróis não poderiam viver naquele mundo, pela possibilidade de consequências desastrosas.

Por conta disso Coronel Weird e Madame Libélula criaram a ilusão da vida na fazenda. Todos os heróis estavam, na verdade, hibernando dentro da nave de Weird, enquanto Libélula controlava os acontecimentos com seus poderes. Toda a vida que construíram, todas as pessoas amadas, não passavam de uma grande mentira. O volume termina com Weird definindo o curso da nave para fora da Parazona, de volta para a casa deles, sem saber que acontecimentos os aguardam.


E então, temos o quarto volume. Como já dito, tudo já acontece imediatamente após o fim do terceiro volume e de uma forma completamente inimaginável. Confesso que não havia pensado em nenhuma possibilidade para como tudo seria concluído, mas o que foi criado aqui é inteligente, bem amarrado e continua naquela proposta da série, que é trazer um olhar diferenciado para uma história de super heróis.

Em Era da Destruição - Parte II, as decisões do passado conduzirão os heróis e o leitor para o desfecho da narrativa. E a impressão que fica é que desde o início as ideias que nos foram apresentadas como forma de concluir Black Hammer sempre foram essas. Uma essência que transcende as páginas e realidades.

A primeira parte deste último volume teve uma das ideias mais incríveis que já vi. Não é nada absurdo, nem explode a nossa mente, não reinventa a roda, mas ainda assim se mostra inovadora e inteligente.

E é na segunda parte que tudo se desenrola para valer. É de se imaginar que, com a volta dos heróis para o que supostamente é seu lar, algo de desastroso aconteça. Desde o fim do terceiro volume fica claro como o equilíbrio entre forças do bem e mal é importante neste universo, portanto, dá para se imaginar desde o início que algo pode acontecer.


A conclusão é melancólica. É até difícil falar sem entregar muitos detalhes de tudo, então acho melhor deixar somente essas palavras.

Black Hammer é uma obra fascinante, inteligente e divertida. É satisfatório ver a atenção que ela recebeu da Intrínseca por aqui, que vai acontecendo inclusive  com outras publicações. Jeff Lemire, Dean Ormstom e todos os outros artistas que trabalharam na obra fizeram um excelente trabalho.

Espero que a Intrínseca esteja pensando em trazer também os Spin-off's, mas, por enquanto, este é o fim de Black Hammer por aqui. É isso, até a próxima!

Autores: Jeff Lemire (Roteiro), Dean Ormston (Arte), Rich Tommaso (Arte, Cores e Letras), Dave Stewart (Cores) e Todd Klein (Letras) | Editora: Intrínseca | Páginas: 192 | Ano: 2020


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário ♥

Postar um comentário