[RESENHA] Coração de Aço

Autor: Brandon Sanderson 
Editora: Aleph 
Páginas: 376 
Ano: 2016 
Classificação: 5/5
Tudo começou com Calamidade, que surgiu nos céus como uma estrela de fogo, e que ninguém sabe o que é realmente: seria algo alienígena, ou então um experimento do exército norte-americano? Seus efeitos, entretanto, podem ser sentidos algum tempo após seu surgimento: pessoas comuns passam a ter poderes que desafiam as leis da física e da lógica. Parece que uma nova era está para surgir. E surge: os nomeados Épicos não apenas se tornam poderosos, mas também ganham uma sede insaciável de poder e parecem perder toda sua humanidade no processo, deixando o resto da população à mercê de suas vontades e caprichos. Dentre eles o mais poderoso é Coração de Aço, um ser invulnerável a qualquer tipo de ataque e com capacidade de manipular e transformar objetos inorgânicos em metal, que decide tomar a cidade de Chicago e ali estabelecer seu império.
Dez anos se passam e os Épicos governam com poder absoluto, com todos os direitos e nenhum dever, se apossando de tudo o que querem a seu bel-prazer, e matando aqueles que ousam desafiá-los. Não existe nada e ninguém que possa impedi-los. A exceção a essa regra são os Executores, humanos normais, munidos de tecnologia de ponta que se utilizam de táticas de guerrilha para derrubar e matar o maior número possível de Épicos. O sonho de David, um jovem criado em um orfanato/fábrica de Nova Chicago é juntar-se aos Executores e destruir Coração de Aço, o homem que matou seu pai e mudou sua vida para sempre.
Olá pessoal. De volta com mais uma resenha, uma das minhas primeiras experiências com Brandon Sanderson, já relatada, inclusive, com alguns poucos detalhes, no meu post de melhores leituras do ano passado. Fiquem com a resenha:


A Série Executores, da qual Coração de Aço é o primeiro, é, certamente, a mais diferente dentre todas as obras já publicadas do autor, mas isso não significa que não é boa. Pelo contrário, mesmo sendo uma obra voltada a um público mais novo em relação às outras séries de Sanderson, ela cativa por compartilhar características já conhecidas da escrita do autor, como os excelentes personagens e nesse caso, um mundo já existente, mas moldado para a realidade que ele quer transmitir.
 
Tudo começou quando um dia surgiu no céu um estranho objeto, que passou a ser conhecido como Calamidade. A partir daí, misteriosamente algumas pessoas passaram a ganhar super poderes, mas, ao invés do já esperado clichê de que com os poderes vem grandes responsabilidades, coisa clássica dos super-heróis, essas pessoas na verdade passam a agir como vilões, que destruíram cidades e tomaram outras, como ditadores. Eles são chamados de Épicos.
 

Em Coração de Aço conhecemos o épico que é conhecido pela alcunha que dá título ao livro, que tomou Chicago, transformou-a completamente em aço e é um verdadeiro ditador, que simplesmente mantém a cidade de pé, oferecendo ao menos os recursos simples, mas que ainda fazem Nova Chicago ser o melhor lugar para morar e governar, uma vez que boa parte dos Estados Unidos vive em situação de caos com os outros Épicos que esbanjam seus poderes. Nova Chicago está infestada por épicos, muitos deles sob o comando de Coração de Aço, alguns com grandes poderes e importantes para a manutenção da condição de subserviência da população, para evitar que revoltas sejam realizadas e mais sangue de pessoas normais seja derramado, ainda que as pessoas não sintam que devem realmente se revoltar contra o governo de Coração de Aço.
 
Apenas algumas poucas pessoas tem coragem de ir contra o regime imposto, eles são conhecidos como Executores, pessoas sem poder algum que trabalham descobrindo a fraqueza de cada épico e criando planos para matá-los. Apesar disso, fica claro que mesmo matando épicos mais fracos e alguns poucos dos escalões mais altos, seu trabalho parece não fazer tanta diferença a ponto de ter algum impacto direto no governo. Até que surge David Charleston, um jovem de 18 anos que viu seu pai morrer pelas mãos de Coração de Aço e que sonha em se juntar ao executores a fim de ter um meio para chegar até o épico e matá-lo.


Coração de Aço tem uma história relativamente simples, mas com alguns detalhes bem criativos que por vezes deixam um pouco mais complexa a natural simplicidade da trama. E isso está longe de ser um defeito. Achei impressionante como praticamente não há limites para a variedade de poderes, que podem ter uma serventia simplória, ou ser um tipo que pode ser compartilhada com outros épicos, ou ainda poderes grandiosos, como o de Coração de Aço, praticamente imortal. Tão ilimitado e curioso quando os poderes são as fraquezas dos épicos. As maneiras de se derrotar um épico podem ser comuns ou praticamente impossíveis de se detectar. A criatividade de Brandon Sanderson é espantosa!

Os personagens também são excelentes, todos eles bem explorados, ainda mais levando em consideração as limitações que temos pela trama ser escrita em primeira pessoa, através do ponto de vista de David, o protagonista. Por falar nele, apesar de não ser o mais carismático dos protagonistas, ele é bem interessante e com motivações bem definidas, pouco se desviando de seus objetivos. Além disso ele tem um senso de humor bem peculiar, com as piores metáforas que vocês podem imaginar, sem contar que junto de Cody, um dos executores, as situações ficam ainda mais engraçadas, como uma forma de dar um respiro no clima por vezes sombrio da narrativa.
 

Coração de Aço também nos reserva ótimas sequências de ação, algumas bem cinematográficas inclusive (o livro já tem direitos de adaptação adquiridos pela Fox), além de algumas reviravoltas interessantes. Uma delas eu suspeitava, mas de maneira diferente do que o autor realmente colocou no papel, o que desse forma continuou me surpreendendo.
 
Gosto bastante da ideia de como os personagens buscam se encaixar, uma vez que a maioria dos personagens sente que eles precisam fazer algo para criar esse espaço no qual eles podem se inserir, nem que seja necessário ultrapassar limites antes não pensados. Brandon Sanderson faz a trama andar com um bom ritmo, ainda que se arraste em poucos momentos, mas sem deixar o leitor pra traz. O autor faz questão de explicar o máximo possível de alguns conceitos, mas também não entrega tudo logo em um livro só, deixando assim mistérios para serem descobertos nos livros seguintes.
 

O livro se encerra em um ritmo alucinante, que, mesmo as excelentes sequências de ação anteriores não conseguem se comparar com a grandeza dos momentos finais da obra, que é uma chuva de novas informações, reviravoltas e ação atrás de ação. Mesmo com a narrativa em primeira pessoa, a trama repleta de personagens permite que tenhamos um panorama de tudo que está acontecendo com o protagonista e com os que estão ao redor dele. Podemos estar ao lado do protagonista, rodeado por paredes e escuridão, mas estamos a todo momento sabendo o que acontece além delas e isso, nesse final, é incrível!
 
Não tenho como não recomendar. Mesmo simples, Coração de Aço é empolgante, divertido e por vezes entrega bons momentos de drama, mas o que brilha mesmo é a ação, não desenfreada, mas muitíssimo bem escrita e pensada para caber em uma narrativa em primeira primeira pessoa. Leiam!

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário ♥

Postar um comentário