[SÉRIE] Game of Thrones - 6ª Temporada Parte I


Sim, falhei miseravelmente em minha proposta de trazer comentários semanais (ou quase isso) de Game of Thrones. Mas ainda tenho tempo de trazer minhas impressões gerais sobre a 6ª Temporada dessa série tão amada no mundo todo. Então, se preparem que o texto provavelmente não vai ser dos menores.


Primeiramente essa temporada já entra pra história por confirmar Game of Thrones como uma das poucas séries que aumenta sua audiência a cada temporada, como aconteceu com Breaking Bad. Sem contar que o último episódio da temporada, “The Winds of Winter” bateu o record de episódio mais visto da série na primeira exibição na TV, com 8,9 milhões de telespectadores, passando os 8,1 milhões de “Mother’s Mercy”, season finale da 5ª temporada. 

Não podemos deixar a qualidade de lado. Esse ano Game of Thrones esteve ainda mais cinematográfica em boa parte de seus episódios. O que falar do incrível “Battle of the Bastards”, que também consagra Miguel Sapochnik como um dos melhores, senão o melhor diretor que passou pela série nos últimos anos?


Sem dúvidas, o maior destaque narrativo da temporada vai para o foco na força feminina. Vimos as mulheres dominarem grande parte dos acontecimentos da temporada, inclusive definindo rumos importantíssimos paras as duas temporadas finais.

Sansa, que até a temporada passada vinha sendo tratada como a donzela em perigo, indefesa, nesse ano mostrou que cresceu. Foi ela quem virou o jogo na Batalha dos Bastardos, que parecia que seria mais um massacre promovido por Ramsay, mas que com a chegada dos soldados do Vale de Arryn, teve rumos diferentes.

Ficou também nas mãos de Sansa a morte do maldito Ramsay, mais do que digna e merecida, na boca de seus amados cãezinhos, assim como ele fez com a pobre Walda Frey e seu filhinho.

Agora quero ver como ela vai lidar com Mindinho, que tinha planos diferentes do que resultou ao final, com Jon Snow coroado como O Rei no Norte. Será que Sansa tem a ambição de ser A Rainha no Norte? Mindinho vai colocar Sansa contra Jon? Sansa realmente conhece Mindinho e é imune a sua influências? Vamos ver o que o futuro reserva para a personagem.


Yara Greyjoy também foi outra personagem feminina retratada com força e uma certa ousadia. Tudo começa com sua pretensão ao Trono de Sal, passa por ela roubando toda a frota de navios das Ilhas de Ferro, uma passagem rápida em uma casa de prostitutas, que serviu também para ela tentar reerguer a cabeça de Theon, e não da forma que muitas pensariam ao se falar em uma casa de prostitutas. Por fim, ela chega a Meereen e protagoniza uma cena sensacional com Daenerys. Tanto para mostrar que agora são as mulheres que comandam, que essa é uma boa aliança, como também para fazer graça com um flerte muito bem contextualizado entre as duas personagens. De quebra, a frota aumenta e ainda parece criar algum tipo de oposição ao seu tio Euron, que está nas Ilhas de Ferro construindo uma frota ainda maior.


E por falar em Daenerys, porque não falar sobre ela? Sua passagem por Vaes Dothrak foi breve mas marcante. O maior destaque vai para ela matando todos os Khals, queimando tudo e saindo do fogo como no fim da primeira temporada. Fanservice? Sim ou claro? De quebra, consegue que todos os Dothraki façam parte de seu exército.


Mas é quando ela chega em Meereen que vem seu grande momento. Primeiro que ela já coloca Tyrion em seu lugar, mas, vejam bem, ele ainda consegue ter grande influência sobre as decisões dela de querer acabar tudo do jeito mais fácil, matar, queimar, oprimir. Ele consegue fazer com que ela aceite negociar, mas com um pouquinho do jeito dela de mostrar o que tem em mãos para conquistar o que quer. O resultado é a sensacional cena com os três dragões e ela montada em Drogon, queimando um dos navios da frota dos mestres escravagistas e mostrando o que pode acontecer com todos os outros.


Ali pertinho, em Bravos, tivemos Arya e seus momentos legais, mas também problemáticos. Seu núcleo foi, provavelmente, o segundo mais negligenciado da temporada, ganhando somente do desastre que se tornou Dorne, que já vem da temporada passada. Para falar a verdade, não sei nem bem o que falar. Foi forçada demais a rivalidade dela com a Criança Abandonada. Estar ameaçada de morte e ficar apreciando a paisagem. Ser esfaqueada e pouco tempo depois estar fazendo parkour. Ainda assim, ela se lembrar que é uma Stark e que voltaria para casa, falando tudo isso dentro da Casa do Preto e do Branco na cara de Jaqen H’Ghar foi um momento legal. Ela encerra sua participação na temporada com, definitivamente, um de seus melhores momentos na série, matando Walder Frey.


Já que falei em Dorne, vamos falar das Serpentes de Areia e sua mãe, Ellaria Sand. Primeiramente, dispenso qualquer comentário sobre as Serpentes. Ellaria é sensacional e muito bem interpretada por Indira Varma, mas o peso da personagem praticamente se perde diante de tantos problemas na adaptação de um dos núcleos mais interessante da série de livros. Aquela cena do assassinato do Príncipe Doran e seu segurança gigante Areo Hotah poderia ter sido memorável se tivessem pensado em caprichar mais nela, mas acabou se tornando um motivo de piada. Comparações. Areo Hotah foi atingido com UMA espetada de uma adaga e caiu morto. Arya levou várias facadas na barriga, vejam bem, várias, na barriga (sabem que estômago, quando ferido, no contexto temporal comparado, por exemplo, aos tempos medievais, em que a série se passa, é praticamente um decreto de morte?) e, poucos dias depois, ainda visivelmente ferida, estava fazendo parkour pelas ruas de Bravos. Sem mais a acrescentar sobre isso.

Pelo menos parecem querer dar importância ao núcleo finalmente tornando-os aliados à Daenerys juntamente com os Tyrell.


Também tivemos um pouco da minha querida Melisandre e a revelação de um de seus maiores segredos. Gostei muito de como retraram a insegurança da personagem diante de acontecimentos que não tinham saído como ele previra. A atuação de Carice Van Houten é extremamente convincente nesse aspecto, sendo inclusive, alguns dos melhores momentos da atriz no papel.

Fiquei triste por terem deixado ela um pouco de lado depois do retorno de Jon, retornando somente em The Battle of the Bastards e encerrando sua participação em The Winds of Winter, com ela revelando a Jon que matou Shireen, filha de Stanis, queimada. Espero que ela ainda retorne para a série.


Pelas minhas contas, para falar da presença feminina na série, falta somente Porto Real e a incrível Cersei interpretada por Lena Headey, que digo e repito, merece levar o Emmy, tanto pelo favoritismo do ano passado, quando não levou, tanto pelo seu trabalho esse ano, onde ela se superou. Do início ao fim a personagem estava no centro de grande parte dos acontecimentos que envolviam Porto Real. Começa com seu sofrimento de mãe pela morte de Myrcela e o medo de perder o filho para Margaery e até mesmo para a Fé Militante. Isso de certa forma aconteceu. Para remediar tudo isso, ela toma medidas drásticas e vive um de seus melhores e mais memoráveis momentos. A sequência inicial da season finale, focada tanto nela quanto no julgamento no Septo de Baelor é nada menos que absurdamente sensacional. Retrata bem a ebulição de todos os sentimentos acumulados pela personagem. Retrata o resultado de se subestimar uma mãe e também uma mulher que pode se mostrar impiedosa com quem entra em seu caminho. Quem não aprendeu que Cersei não pode ser subestimada? Margaery aprendeu isso bem cedo, temporadas atrás e notou muito bem isso no Septo, antes da grande explosão de fogo vivo, já prevista por Bran no início da temporada.


Fim da primeira parte dessa passagem pelos acontecimentos da temporada. Na segunda e última parte, falarei de alguns outros momentos da série, como a Batalha dos Bastardos. Espero que tenham gostado e até breve.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário ♥

Postar um comentário