[SÉRIE] Game of Thrones - 6.02

Título do Episódio: Home
Ano: 2016
Diretor: Jeremy Podeswa
Roteirista: Dave Hill
Bran treina com o Corvo de Três Olhos. Em Porto Real, Jaime aconselha Tommen. Tyrion espera uma boa notícia, mas terá que fazer a sua própria. Em Castelo Negro, a Patrulha da Noite segue atrás de Thorne. Ramsay Bolton propõe um plano, enquanto Balon Greyjoy cogita outras propostas.
Demorou mas estou de volta para tentar colocar em dias os posts sobre os episódios da sexta temporada de Game of Thrones. Sem mais demora, vamos lá.

Esse segundo episódio foi, sem dúvidas, melhor que o primeiro, ainda que o anterior tenha sido muito bom. Por que será hein? O grande foco no episódio foi tratar de desenvolver dentro do possível os personagens e já começando a dar pistas do que vem por aí. Na verdade, essa pista faz parte da construção de boa parte dos acontecimentos que sabemos que chegarão em breve.

No passado e Além da Muralha

Que início de episódio excelente galera. Nos primeiros momentos somos apresentados a alguns personagens quando jovens, como Ned Stark e seu irmão Benjen, sem contar na espirituosa Lyanna Stark.

A cena faz parte de uma visão de Bran, que ainda está em treinamento Além da Muralha com o Corvo de Três Olhos. O que gostei muito foi a atmosfera de acolhimento, de casa, que a cena conseguiu passar tão bem ao mostrar uma Winterfell e por consequência, os Starks, vivendo em harmonia e paz, totalmente o contrário do que viria a acontecer alguns anos depois, quando a família se resume aos cinco jovens irmãos ainda vivos, Bran, Rickon, Arya, Sansa e Jon.


E quem foi que não sentiu uma pontinha de felicidade e uma pista de que podemos ver alguma revelação sobre o passado de Hodor, que descobrimos ser chamado de Willis e que quando criança ele falava normalmente? Eu espero, sinceramente, que a série desenvolva bem o personagem, que é muito querido por muitos fãs, por estar sempre ao lado dos Starks. 

Depois voltamos para onde Bran se encontra de verdade, entre as raízes da árvore que serve para transportá-lo além do tempo. Temos uma conversa entre Meera e uma Filha da Floresta, que serve para situar bem o telespectador sobre os poderes de Bran e as possibilidades às quais ele pode levar. Os flashbacks prometem ter grande importância nas revelações que estão por vir.


Porto Real

Na cidade do rei, tivemos as primeiras demonstrações do que Robert Strong é capaz de fazer. É bom que alguns saibam que não é bom para suas cabeças que falem mal da Cersei na frente deles, o mínimo que pode acontecer é terem elas esmagadas contra uma parede. Acho interessante ter um personagem ameaçador como esse acompanhando a ex-rainha, que está cada vez mais irada com a Fé dos Sete, que não descansa na busca de livrar o mundo do pecado.

O diálogo entre Jaime e o Alto Pardal deixa bem evidenciado o quanto eles estão realmente dispostos a avançar em suas pretensões e que não importa se o Pardal morre, já que em seu lugar muitos outros surgirão. É um personagem que tem suas motivações religiosas, mas que claramente se distorcem ao ponto de beirar o fanatismo. Jonathan Pryce, o ator que o interpreta, é excelente, desde que passou a encarnar o personagem temporada passada.


Não poderia, claro, faltar o grande e poderoso Rei Tommen. Só eu não suporto o personagem, principalmente por conta do ator? Me incomoda muito ver um personagem tão chato quanto ele no núcleo, onde a grande parte de suas cenas se resumem à sua voz de choro enquanto fala com a mãe Cersei. Dá pra perceber claramente que ele quer impôr o respeito devido, mas não parece que as coisas vão realmente acontecer dessa maneira. Mas espero que aconteça, pra ver se o personagem ganha um gás e pelo menos não morre nessa temporada, ainda que seu destino já tenha sido definido em profecia.

Essos

O pequeno conselho de Daenerys continua com seus problemas por conta da volta da escravidão nas cidades pelas quais passou e tirou os mestres escravagistas do poder. Vem problema por aí. Sem contar nos Filhos da Harpia, que estão quietos aguardando o momento certo para dar o bote.

Indo atrás de alguma garantia de "segurança", nosso amado Tyrion toma uma decisão no mínimo questionável: ele tem a atitude de decidir soltar os dragões presos de Daenerys que sequer viram ele antes. Incrivelmente ele consegue a façanha e Peter Dinklage, o ator que encarna o personagem, mais uma vez mostra seu incrível trabalho e passa de maneira mágica toda a admiração que Tyrion tem pelos dragões e sua mística, principalmente quando sabemos que tudo aquilo é CGI.


Já em Bravos, tivemos um leve avanço com o núcleo de Arya. Tudo começou como uma repetição do primeiro episódio, mas que, ao fim da cena, Jaqen H'ghar aparecendo para levar a garota de volta à casa do preto e do branco. Essa é sua jornada para se tornar Ninguém.


Winterfell

Tivemos o momento Ramsay? Claro, sempre tem que ter. Mas ninguém suporta mais o personagem, e não é de ódio pelas atrocidades que ele comete, mas sim porque os produtores parecem estar querendo empurrar o personagem cada vez mais garganta abaixo. Era muito mais fácil suportar o Joffrey do que aceitar esse Ramsay perverso e caricato.

Tivemos, claro, o início da temporada de mortes gratuitas para o queridinho de Dan e David. Ok, não tão gratuita vai, já que era bem esperada a morte de Roose Bolton. O interessante na cena é a provável aliança dele com os Karstark e também fazer Roose morrer exatamente da mesma maneira pela qual ele assassinou Robb Stark no Casamento Vermelho.


Mas, sim, tivemos uma morte totalmente gratuita. Que dó da queridíssima Walda Frey e seu bebê, mortos pelos cachorros de Ramsay. Já chega? Quem me dera.

Sansa realmente vai para a muralha, acompanhada de Brienne e Podrick, na busca de ajuda e abrigo com o irmão Jon. Theon decide que não seguirá viagem com elas e anuncia que voltará para casa. Sim, ele fala das Ilhas de Ferro.


Ilhas de Ferro

E que participação de peso essa das Ilhas de Ferro. A primeira cena já trata das discussões da Yara/Asha com o pai Balon, sobre as perdas das últimas batalhas no continente. Também é levantada a questão da sucessão no trono das Ilhas de Ferro, que Balon pretende entregá-lo à filha, já que ele acredita não possuir outros herdeiros.

E é aí que entra Euron Greyjoy, irmão de Balon, que aparece pela primeira vez na série e com uma excelente entrada e atuação de Pilou Asbæk. Ele já trata de se colocar como superior, dizendo que é o próprio Deus Afogado, que ele é o mar e tudo mais. Claramente se colocando como candidato à suceder Balon no trono. E se depender da morte do atual rei, caído de uma ponte, pelas mãos do próprio irmão, isso pode acontecer em breve.


Outro provável candidato é Aeron Greyjoy, também irmão de Balon e Euron, mas que agora é um sacerdote do Deus Afogado. A questão é se o sacerdote também apresentado no episódio é realmente ele. Provavelmente é, então podemos esperar um núcleo bem movimentado e que provavelmente não terá somente o assunto da sucessão como sua principal surpresa.

Castelo Negro

Jon Snow está vivo gente! Ok, há muito tempo isso não é novidade para ninguém. Mesmo antes da estréia da sexta temporada muitos já davam como certeza o retorno do personagem. A cena do ritual com Melisandre tentando reviver Jon foi bem criticada, por ser tão simples e não ter nada tão mágico. Parece até que esse pessoal não viu Thoros de Myr revivendo Beric Dondarion de uma maneira ainda mais simples do que a utilizada pela nossa Feiticeira Vermelha favorita.


No pátio do castelo, finalmente Edd Doloroso chega trazendo os selvagens liderados pelo incrível Tormund e trazendo junto o gigante Wun Wun, que tratou de esmagar a cabeça de um na parede. Que humano em sã consciência acertaria uma simples flecha em um gigante? Obviamente, aqueles que estavam contra Jon agora decidiram por abaixar suas armas, por preferirem ter suas cabeças preservadas.

Ficam muitas discussões ao fim do episódio. A primeira delas é que destino terá Melisandre ao longo da temporada. Ela provavelmente seguirá Jon, mas há algo mais guardado para ela? Ainda me parece que a grande revelação no primeiro episódio não foi sem algum propósito, como sua morte (por favor David e Dan, não!) ou alguma outra coisa. Ainda faltam também discussões dela com Davos sobre o destino de Stannis e a princesa Shireen, que teve uma morte triste na temporada passada, completamente ignorados até esse episódio.

Quanto a Jon, é esperar pra ver como ele retorna. É o mesmo ou será que teremos mudanças nas atitudes do personagem?

Fonte: Game of Thrones BR

Ufa, cheguei ao fim. Esse post ficou bem maior que o primeiro. Espero que, quem tenha chegado até aqui, tenha gostado da resenha. Tentarei voltar ainda essa semana com os sobre o terceiro e quarto episódio. Até a próxima!

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário ♥

Postar um comentário