[RESENHA] Um Toque de Morte

Autora: Luiza Salazar
Editora: Draco
Páginas: 224
Ano: 2013
Classificação: 3/5
Pode me chamar de Kat. Eu daria tudo para ser apenas uma jovem universitária, preocupar-me com os assuntos discutidos nos trens, nos corredores das escolas, nas ruas: qual roupa vestir na festa, qual o futuro da política do país, quem vai ganhar o jogo esta noite. É, você entendeu.
Mas na minha cabeça só há espaço para uma preocupação: quem será a minha próxima vítima.Eu sou uma Ceifadora. Isso significa que posso matar com um simples toque das mãos, um dom que desejava todos os dias não possuir. Mas quando aqueles dois estranhos apareceram na minha vida e fizeram tudo virar de pernas pro ar, comecei a entender que existem pessoas que fariam de tudo para controlar esse meu poder indesejável. Até mesmo me matar. É até irônico, né?
Um Toque de Morte é um romance fantástico de Luiza Salazar, uma aventura pelas sombras que se escondem nos becos da cidade.
Não se deixar envolver, não se aproximar demais. Essa é a maldição dos Ceifadores, não poder sentir o mundo com a própria pele.
E aí pessoal, querem mais uma resenha? Sim? Pois então aqui está, Um Toque de Morte, livro nacional da autora Luiza Salazar.

Um Toque de Morte vai contar a história de Katherine, ou Kat, como ela prefere, uma garota de 17 anos que mora em Nova York, que aparentemente leva uma vida normal, vive com uma amiga, vai à escola e trabalha. Mas é esse seu trabalho que a faz diferente das pessoas normais. Kat é uma Ceifadora. O que isso significa? Ela pode matar uma pessoa somente encostando nela com as mãos. Seu trabalho é bem “simples”: ela vai ao Noturno, uma espécie de casa noturna, se encontra com o Chefe, pega um trabalho para matar alguém e depois de cumprido, recebe o pagamento.

Aparentemente tudo ocorre “normalmente” até o dia em que aparecem na escola dela dois novos garotos: Vince e Eric, que também são “especial”. Vince é um ventrîloquo, pode controlar as pessoas da maneira que ele quiser. Já Eric é um metamorfo, então, seu poder é se transformar em algum tipo de animal, no caso dele, um lobo. A aparição dos dois promove uma série de reviravoltas na vida de Kat e ela passa a descobrir diversos fatos sobre seu passado, seus poderes e sobre a existência de outras pessoas que possuem poderes e sua divisão em duas ordens distintas, que têm o equilíbrio entre elas ameaçado.

Mais uma vez um livro nacional pouco conhecido me surpreende positivamente. A escrita de Luiza Salazar é característica de quem já tem domínio das palavras que quer transmitir aos leitores, e isso transparece claramente para a trama de Um Toque de Morte, que, apesar de não ser um livro excelente, consegue ainda assim entregar uma narrativa fluida, interessante e com um ótimo conteúdo e mitologia a serem explorados.

Sobre os personagens, é bem difícil expor minha opinião sobre. Eles são, provavelmente, uma das pouquíssimas ressalvas - o que ainda assim é um problema - que eu faria da leitura. Na minha opinião, eles não tem o desenvolvimento necessário para uma trama com uma premissa tão interessante. Eles cumprem o papel esperado, mas não conseguem ultrapassar as expectativas. Kat não é uma protagonista tão carismática assim e por isso a narrativa, em diversos momentos, acaba se tornando um pouco chatinha. Vince e Eric também seguem o mesmo rumo, não me convenceram tanto e ao longo da leitura só me fizeram gostar cada vez menos deles, principalmente nos momentos em que a autora tenta esboçar um triângulo amoroso. (?)

Uma personagem que eu esperava mais era Rebecca, melhor amiga de Kat. Julia faz questão de lembrar ao longo das páginas a amizade entre as duas personagens, mas, fica só na lembrança. Era uma relação para ser muito melhor desenvolvida e que fica somente na superficialidade. Eu até entendo os receios de Kat de se abrir com a melhor amiga, mas ainda assim falta alguma coisa para dar maior profundidade a essa relação das duas, que na verdade só se desgasta.

Um ponto positivo em Kat fica para a construção da personalidade da personagem e seus receios de se envolver com algo que não quer. Pontos para Luiza Salazar, que soube muito bem construir os pensamentos da protagonista e desenvolve de maneira eficiente um retrato da mesma.

A trama em si foi o que mais conseguiu me prender ao longo da leitura. A autora conseguiu criar alguns bons mistérios a serem desenvolvidos e só resolve alguns poucos deles, deixando para a continuação a grande resolução e clímax da história. Ainda assim, o que é contado em Um Toque de Morte tem bastante peso para a narrativa, fazendo uma clara divisão entre dois lados e ao mesmo tempo sem deixar realmente claro se o lado que pensamos estar errado é realmente o grande vilão. Foi uma ótima jogada da autora, que soube construir bem sua história e que certamente causa no leitor a vontade de descobrir o que acontece.

O uso dos poderes dos personagens na trama também é bem explorado, principalmente da parte de personagens importantes que podem entrar na mente de outra pessoa. Já o de Kat envolve diversos mistérios, do passado da personagem, das consequências do uso desse poder, quem mais pode fazer a mesma coisa que ela e dos planos que são guardados à sete chaves.

Ela tem alguns probleminhas, claro. Principalmente na questão da repetição. Os capítulos na escola, pelo menos o início deles são praticamente todos iguais. Quando não é o início, são alguns trechos pontuais deles que são extremamente parecidos entre si e que poderiam ao menos ter sido levados para outros ambientes e criada uma situação mais interessante para que se disfarçasse essa repetição.

No geral, é um livro que tem grandes chances de conquistar aquele que resolver dar uma chance à ele, como aconteceu comigo. Estou bem curioso para ler a continuação, quem sabe em breve eu não venha aqui contar sobre o desfecho dessa história. 

Espero que tenham gostado da resenha e até a próxima.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário ♥

Postar um comentário