[RESENHA] O Grande Gatsby

Autor: F. Scott Fitzgerald
Editora: Geração Editorial
Páginas: 204
Ano: 2013
Classificação: 4/5
Obra-prima de F. Scott Fitzgerald, este clássico do século XX retrata a alta sociedade de Nova York na década de 1920, com sua riqueza sem precedentes, festas nababescas e o encanto das melindrosas ao som do jazz. O sol em ascensão desse universo cintilante e musical é o enigmático milionário Jay Gatsby, ao redor do qual orbitam três casais glamorosos e desencontrados, numa trama densa, repleta de intrigas, paixões e conflitos que precipitam o trágico eclipse. Recriação soberba de um dos períodos mais prósperos da história dos Estados Unidos, O grande Gatsby é uma crítica mordaz à insensibilidade e imoralidade revestidas de ouro da chamada Era do Jazz, e um dos melhores romances — talvez o melhor — já escritos nesse país.
Oi pessoal, de volta com mais uma resenha bem rápida para vocês, dessa vez um clássico da literatura norte-americana. Falo de O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald.


Quando eu peguei o livro para ler, cheguei a falar para uma amiga que eu achava que esse livro seria uma elegância só, principalmente pela sinopse e tudo o que eu pensava sobre a vida boêmia e as grandes festas da época retratada pelo livro.

De certa forma minha visão não estava tão errada, só que O Grande Gatsby vai muito além de só mostrar o lado bom de uma sociedade que se preocupava muito com as aparências e a comodidade de uma vida segura, diante de uma época próspera que sucedeu um dos maiores conflitos da nossa história: a Primeira Guerra Mundial.

O livro é claramente uma crítica a essa forma de viver da sociedade norte-americana do século XX. Como já dito mais acima, as pessoas eram acomodadas e ao mesmo tempo vazias de princípios morais e extremamente egoístas e supérfluas, como tão bem retratado por Fitzgerald em sua obra prima.


A história é contada pelo autor do ponto de vista de Nick Carraway, que não é o personagem principal mas é um narrador personagem e que escreve o relato da vida dele a partir do momento em que ele conhece o famoso Jay Gatsby, o protagonista. Nick acaba por se tornar o melhor amigo e confidente de Gatsby, mesmo que ele acabe por desprezar a imagem que essa sociedade tão acostumada ao luxo constrói de sim mesma.

Gatsby é um personagem no mínimo interessante. É imensamente conhecido por suas grandiosas festas em sua enorme mansão, esbanjando luxo para todos. Mas por trás desse homem aparentemente tão rico, social e amigo da sociedade, há uma figura ingênua, que acredita que pode conquistar o que quiser sem maiores esforços e até mesmo merecimento. É o que acontece quando colocamos Daisy, a mulher que ele mais amou na vida, em cena.

Desde jovem, ainda antes da guerra, os dois tinham algum envolvimento. Mas depois que ele se viu obrigado a servir o exército, deixou ela para trás, assim como as promessas feitas pelos dois. Muitos anos depois ele acredita que pode reconquistá-la, mesmo que agora ela esteja casada, com uma filha e com uma vida firme e segura, ainda que tenha problemas com o marido.


Gatsby não mede esforços na tentativa de reavivar o amor dos dois que ficou no passado, chegando até mesmo à beira da obsessão. É aquela velha discussão se vale realmente à pena fazer de tudo, do certo ao errado, em busca de um objetivo, principalmente quando há uma grande chance de não alcançá-lo, como bem ficamos desconfiados por diversos momentos durante a leitura.

O resultado das intensas tentativas de Gatsby é um personagem que não se mostra aquele verdadeiro exemplo de um homem distinto, como ele pode ser facilmente reconhecido pelo status social que o mesmo transmite e transborda aos montes.


Scott Fitzgerald escreve de uma maneira simples porém esplêndida. Os personagens por ele retratados passam longe de ser um exemplo de perfeição. Não é por menos, afinal o autor quis retratar com precisão uma sociedade que todos nós conhecemos pela história que nos é contada. A escrita transcorre tão rápido que a leitura flui de uma maneira tão intensa e quando nos damos por conta, já estamos bem próximos do fim.

O Grande Gatsby se prova como a obra prima pela qual é conhecida, a magnus opus de Fitzgerald. Uma história que critica uma sociedade e seu modo de vida, bem como retrata de maneira bastante crível o que as pessoas são capazes de fazer em busca da realização do sentimento tão difícil de se definir e sentir com plenitude, que é o amor.

Leitura mais do que recomendada. Cumpre perfeitamente o que promete e ainda entrega um pouco mais. Espero que tenham gostado e até a próxima.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário ♥

Postar um comentário