[SÉRIE] Marvel Demolidor

Título Original: Marvel's Daredevil
Ano: 2015
Criador: Drew Goddard
Elenco: Charlie Cox, Deborah Ann Woll, Vincent D'Onofrio, Elden Henson, Rosario Dawson, Vondie Curtis-Hall, Ayelet Zurer, Toby Leonard Moore, Bob Gunton, Scott Glenn
Gênero: Ação, Aventura, Ficção Científica, Drama, Crime
Duração: 48 a 59 minutos
Classificação: 5/5
Cego desde pequeno, Matt Murdock luta contra a injustiça durante o dia como advogado e à noite nas ruas de Hell's Kitchen, Nova York.
Marvel Demolidor, na visão de um não leitor das HQ’s do herói. Sim, esse é o post de estreia sobre séries que estaremos trazendo para o blog, que tenham origem em HQ’s ou livros - no cinema já tivemos aqui o aparecimento de Jurassic World, do mundo de Jurassic Park, com livro publicado recentemente pela Aleph - Como dito, eu não leio os quadrinhos do Demolidor - Daredevil nos EUA - mas acompanho de maneira razoável o Universo Cinematográfico da Marvel e os derivados dele, como essa série. Nesse post vou falar um pouco do que eu achei do trabalho feito na série. Mas fiquem avisados que o tom do texto vai passar longe de ser algo crítico, já que o objetivo é somente falar da visão de um fã das adaptações para TV e cinema.


A série começa com um Matthew Murdock ainda criança, que sofre um acidente depois de salvar um senhor de idade. É nesse acidente que ele fica cego, após um tipo de químico entrar em contato com o olho do futuro herói de Hell’s Kitchen, bairro em que ele mora. Logo o protagonista já adulto e trabalhando como advogado em sua própria firma de advocacia, ao lado do seu amigo Foggy Nelson, aparece, agora também como um justiceiro mascarado.

Um dos detalhes que se pode notar de início é que a série faz questão de se conectar às outras produções da Marvel, seja na TV ou no cinema. As consequências das destruições causadas pela ação dos Vingadores contra seus vilões são sentidas no pequeno bairro, que busca se recuperar enquanto na escuridão de seus becos grupos de mafiosos controlam tudo.

Chega a ser injusta a comparação da série com aquela produção que dizem ser um filme, estrelado por Ben Affleck. Marvel Demolidor, consegue ser tudo que a produção mais antiga passou longe de ser. 


O tom da série é algo que merece ser destacado. Que é uma produção da Marvel, que trabalha em parceria com a Netflix, isso é inegável, mas diferentemente do tom predominantemente mais humorado de seus filmes e outras séries, Demolidor é o completo oposto. A seriedade da produção deixa tudo com um clima diferente, reforçada ainda mais na ação que acontece em sua maior parte durante o período noturno. Durante o dia Matthew, Foggy e Karen - que esqueci de mencionar que foi a primeira cliente da dupla e que passa a ser secretária do escritório de advocacia - perante a lei, trabalham para resolver os mistérios que envolvem a máfia escondida nos negócios das empresas locais.

As cenas de luta de Demolidor são absurdamente fascinantes. O protagonista é um herói justiceiro e estamos acostumados a ver esses heróis lutando e derrotando os aniversários com meia dúzia de golpes. Aqui eles foram além disso e fazem das cenas de luta um dos elementos mais emocionantes desta produção. São cenas longas, que pegam em detalhes os golpes e mostra que o protagonista não encontra facilidade em seu caminho. É em Demolidor onde assistimos verdadeiras cenas de pancadaria executadas de maneira magistral. São poucas as que frustram o espectador. A propósito, no segundo ou terceiro episódio, não me recordo agora, temos uma cena de luta em especial, absolutamente fantástica, executada em um longo plano sequência.


Não posso deixar o elenco de lado. Charlie Cox nasceu pra ser Matthew Murdock e o Demolidor. O papel casa com ele e sua atuação como o personagem é excelente. Elden Henson e Deborah Ann Woll também são fantásticos dando vida à Foggy e Karen Page. A química entre esse trio de atores é uma das melhores já vistas neste universo da Marvel. Não posso deixar de falar de Vincent D’Onofrio como Wilson Fisk e Rei do Crime. O ator foi alvo de algumas críticas, por não retratar exatamente o personagem como ele é nas HQ’s, mas falta atenção para algo nas críticas e que talvez alguns não tenham entendido. Essa primeira temporada é uma história de origem, não só de Matthew Murdock tornando-se o Demolidor, mas também de Wilson Fisk e a construção de pouco em pouco do Rei do Crime. A atuação de Vincent é excelente e consegue criar uma certa empatia no personagem, que ainda não é o homem completamente louco que sabemos que ele se tornará. É claro que essa característica apareceu diversas vezes na série, mas em surtos histéricos do personagem que não queria admitir a interferência exterior em seus negócios. Vemos ainda no personagem uma certa fragilidade emocional e timidez quando se trata de sua relação com uma mulher e nisso o ator conseguiu ser certeiro no papel.


A trama principal desta primeira temporada foi iniciada e concluída, com um resultado final excelente. Mas ao correr dos episódios, diversos mistérios foram expostos aos espectadores, dando margem às especulações dos próximos grandes acontecimentos da série e também sua ligação com as demais produções da Marvel que terá a Netflix no comando, como as séries de Luke Cage, Jessica Jones, Punho de Ferro e a união desses heróis para a série dos Defensores. Há ainda a expectativa de vermos pelo menos o Demolidor, num futuro próximo, em um dos filmes da fase 3 da Marvel nos cinemas, resta torcemos para que aconteça. O começo destes personagens com a Netflix não poderia ser melhor e o material que vem por aí só deixa os fãs mais animados. Que venha a segunda temporada.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário ♥

Postar um comentário